Em meio à turbulência da crise financeira, o governo americano vai tomando medidas cujos detalhes e implicações muitas vezes acabam passando desapercebidaos da grande maioria. Um bom exemplo é a decisão do FED de aceitar ações como garantia por parte dos bancos.

Em um mercado conturbado como o dos últimos dias, onde o maior problema é a falta de liquidez, parece uma medida sensata. O problema são as consequências. Ora, se os bancos estão desesperados atrás de dinheiro vivo para honrar suas obrigações, é mais do que provável que rapidamente o FED tenha em mãos um grande volume de ações. Qual o problema disso?

Bom, se acontecer um crash, o FED se verá em uma sinuca de bico. Ou assume o prejuízo e o repassa para os contribuíntes, ou cobra novas garantias dos bancos, provavelmente levando alguns à bancarrota que tenta evitar agora.

Aí é que está o problema: o governo passará a ser, em pouco tempo, um dos maiores players do mercado. Apesar disso, continuará com a responsabilidade de regular e fiscalizar esse mesmo mercado. As portas estão abertas para a manipulação. Todas as teorias conspiratórias sobre o Plunge Protection Team passarão a fazer sentido.

Perto dessa medida, a nacionalização de Fannie & Freddie é uma brincadeira de criança…