Se vai colar ou não, saberemos ao longo da semana, mas parece inteligente a jogada do Secretário do Tesouro americano Henry Paulson. O ponto principal do plano anunciado neste final de semana é o cheque em branco para que que Paulson possa comprar os papéis que achar necessários à resolução da crise. As atenções, entretanto, têm sido divididas com outro artigo da lei, que diz que os atos das autoridades não estão sujeitos a contestação judicial. Ditadura, logo gritaram alguns.

É um artigo inócuo. Qualquer um sabe que a Suprema Corte o derrubará caso seja necessário. Então para quê adicioná-lo a uma lei polêmica em um momento em que a rapidez de aprovação é fundamental?

Talvez justamente para agilizar o processo… Com as atenções desviadas do conteúdo principal (o dinheiro), a manobra permitiria aos democratas criticarem o plano, talvez até derrubaram o artigo e saírem do episódio posando como vencedores. Depois de assinarem o cheque, claro…